XX - XY

terça-feira, setembro 28, 2004

Black

Às vezes só me apetece ler o que escreves...

E ficar assim, possesso, por algo que (ainda) não compreendo...




. . .




posted by Mike at 9/28/2004 11:24:00 da tarde

5 Comments:

Sabes, Big Mac... "Tiráste-me as palavras da boca", como já canta desde há muito a expressão idiomática... Mergulho no que escreves e encanto-me pelo mistério que transborda do teu pensamento e me dá asas para voar até onde quero. Sabes porquê? Porque não encontro limites nesse voo e aí encontro o prazer que mais prazer me dá. Atiro-me de cabeça nas águas verdes do que pensas e entrego o meu corpo e mente à tua divagação, numa simbiose que também apenas eu conheço e moldo com as cores e os cheiros que apenas eu sinto, mas que apenas tu despertas à tua maneira: o ondular inigmático do teu ego que tanto se subdivide, como se encontra consigo mesmo, inesperadamente , deixando-me por vezes sem respirar, à procura da próxima palavra.

1:46 da manhã  

Thanks for coming. Just stay black and yellow...
Black é a cor que damos ao que não conseguimos falar;
Yellow, a cor que sentimos sem saber o que pensar.
(Seja pelo que for, não fiques possesso... aproveita esse momento, transforma-o numa loucura saudável e... deixa-te ir.)

11:18 da manhã  

O mistério do sentir em poucas e belas palavras.
Deixa-te ir. Haverás de encontrar a resposta. Ou talvez já a saibas.
Um abraço meu caro amigo.

9:42 da manhã  

sempre que lemos algo que alguém escreveu entranhamos alguma coisa, um sentimento ou uma palavra desse texto que nos mostra um pedaço dessa pessoa.
isso acontece sempre que lemos o texto.. mesmo que o façamos milhares de vezes.
é esse o maior fascínio da arte.
e fica assim, possesso por algo que não compreendo mas quero para mim :)

fairy_morgaine
www.ogritodosilencio.weblog.com.pt

12:18 da tarde  

O equivalente a uma reunião entre gurus; quase não é preciso falar... A cumplicidade é evidente e exprimi-se no olhar, e nos gestos. A harmonia surge naturalmente até pegarem no caderno e escreverem umas rimas... e faz-se soar o riso. Mais um encontro da semente que foi registado com a dignidade que lhe é merecida.

Blunt of Judah!

4:16 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home